segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Livro de poesias "Gotas de Orvalho"


A escritora Elma Morais consegue transmitir em versos simples profundas verdades. A seguir, trechos da poesia agraciada com uma menção honrosa no
1º Concurso Literário da Pague Menos:

"A força do abraço"

O abraço tem a força
Do grande amor de Deus
Ele acolhe, protege e acalanta
Todos os filhos Seus

O abraço traz a cura
Para o todo angustiado
Com energia do outro
Socorre o necessitado

É com a força do abraço
Que se suporta a partida
Da pessoa querida
De um amor ou de uma amiga

É com a força do abraço
Que se começa a negociação
Sela-se um acordo de paz
E protege toda nação

A força do abraço
É algo espiritual
Transcende a mil palavras
É vivo, angelical

É com a força do abraço
Que se muda a razão
Ele penetra bem profundo
Dentro do coração

Contato da escritora: elmamorais@yahoo.com.br


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Que oferecerei a Deus nesse Natal?

sábado, 17 de dezembro de 2016

Luto por uma partida na juventude



"Preciosa é à vista do Senhor a morte dos Seus santos." Salmos 116:15

A jovem Marianna Morais foi morar com o Senhor Deus na última quarta-feira, dia 14 de dezembro de 2016. Ela morreu em sua casa, ao lado de sua família que muito a amava. Deixou um legado de amor a Cristo e à sua Obra. Cabe aqui os belos testemunhos que ela e a sua família deixaram...

Viviene Morais, mãe
Pela GRAÇA do nosso Senhor, aqui estamos. Continuamos vivendo um dia de cada vez.
"Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal". Mateus 6:34
Por já ter passado por um LUTO antes, e por conhecer o que diz a psicologia sobre ele, nós sabemos que viveremos dias terríveis, dias amenos, dias sombrios, dias desesperadores, dias alegres, dias de gratidão, dias de raiva, dias de negação... assim é o LUTO.
Mas nos daremos a chance de viver um de cada vez.
Haverá dias que vou querer lhes contar algo. Haverá outros dias que nem vou abrir o computador ou celular para ver ou conversar com qualquer um. Peço, por favor, sua compreensão.
Neste momento um dos sentimentos que vivemos é a GRATIDÃO. Gratidão pelo alívio da dor de nossa Marianna. Também por tantas manifestações de amor, carinho, solidariedade e suas orações por nós.
Resolvemos VIAJAR. Nós 3 vamos viajar para não passar as festas de final de ano aqui. Ainda não sabemos o dia que iremos e nem fechamos ainda o destino. Um dia de cada vez...
"Faze-me ouvir do Teu amor leal pela manhã, pois em Ti confio. Mostra-me o caminho que devo seguir, pois a Ti elevo a minha alma". Salmos 143:8

Um pouquinho de história... Nos últimos 5 meses nós contratamos uma enfermeira para dormir com a Marianna. Ela chegou, enviada por recomendação de uma amiga que pediu recomendação de outra amiga. Ela veio enviada por Deus. No início estávamos tímidas. Com o passar dos dias, ela virou a "mãe" da noite e eu a mãe do dia! Louvamos a Deus por tanto amor que ela nos doou (lamento demais, não temos fotos das duas juntas).
Hoje recebi dela esta mensagem:
Neste momento o silêncio falaria por si. Como enfermeira tive um grande privilégio de estar mais próxima desse anjo sem asas. Condescendente, humilde, alegre, super inteligente em suas palavras e gestos, que fluíam naturalmente com sabedoria e delicadeza. Um "por favor" e "obrigada" eram constantes, mesmo nos momentos de dor. Dor esta vindo de um corpo debilitado, maltratado por uma enfermidade que não pede licença e sai devastado tudo por dentro. Como enfermeira, estudei em uma das melhores faculdades e sempre tirei notas máximas! Mas confesso: aprendi com ela e sua família.
O processo de cuidar do paciente, amenizar, cuidar e tratar o paciente holisticamente é a nossa função. Porém somos limitados. E quando Deus recebe do alto do Seu trono o cheiro suave de uma de Suas rosas de Saron aqui da terra, é chegado o momento de colher esta flor pra morar e embelezar o céu. Marianna... em nenhum momento a vi reclamar. Em tudo ela falava com Deus e aceitava Sua soberana vontade. Não reclamava quando recebia alguma notícia dos médicos quando não era favorável ou sobre algum novo procedimento, em sua maioria doloroso, durante ou após, ou na recuperação.
Creio que hoje sou uma pessoa diferente. Aprendi muito com essa família: exemplo de amor a Deus, humildes. Pai, mãe, irmã que souberam, em todos os segundos e minutos, honrarem seus papéis na vida de Marianna.
Fica aqui minha gratidão a Deus por ter me dado o privilégio de ter convivido com este anjo e sua família. Lição de vida que guardarei num lugar especial em minhas lembranças e coração.
Laury (Laurinda), em 16.12.2016


Pr. Jader Borges, amigo da família
TOC, TOC, TOC... ALGUÉM ME BATE À PORTA...
Chegando no hotel onde estamos hospedados depois de um dia de intensas caminhadas, aciono o fb e fico sabendo que a menina Marianna Moraes já não está entre nós. Esta manhã partiu para estar com o Senhor, o que é incomparavelmente melhor.
Conheci a família da Mari quando fui preletor em um congresso da OANSE em Goiânia-GO. Seus pais são grandes batalhadores do ministério infantil nessa cidade.
Amei saber da história da menina Marianna e seus chás para meninas, quando tratava da fé e da feminilidade de uma maneira bíblica, tranquila, orientadora, bela.
A partir daí, nossa amizade com a família firmou-se mais, também por causa da enfermidade, que todos passamos a acompanhar, orar, torcer, esperar contra o tempo.
Cada cirurgia, cada noite que Mari quase não dormia direito, era nossa também. Mas que resistência teve esta menina e que fé! Seus pais e irmã são exemplos para nós. Confesso que me sentia pequenininho perto deles e sua fé aumentada, firmada, ampliada pelo Senhor.
Sim, oramos. Sim, esperamos.
Cada melhorazinha era para nós motivo de grande alegria. Só em saber que se alimentara um pouquinho, que levantara um pouquinho mais disposta, já nos alegrava o coração.
Creio que o Brasil inteiro orou por Mari, não todo o Brasil, mas de todos os cantos desse imenso país e também do exterior, pessoas rogaram por ela. Não, não temos 'orações fracas'.
O Amor de Deus é eterno e sábio e Ele sabe o que faz.
Atendeu e atenderá nossas orações de uma maneira que todos aprenderemos mais sobre a fé e a fragilidade da vida neste lado de cá, de uma efemeridade tal que nos leva a pensar: a vida é mesmo curta.
Nunca vimos a Mari reclamar. Nunca vimos sua família reclamando. Seguiam todos eles trabalhando pela Causa de Cristo, entre cirurgias, internações, medicações... e noites insones.
Eu não sei quando Mari aprendeu a cantar "toc,toc,toc". Mas hoje foi a vez de ela, fraquinha, bem fraquinha, não resistir mais e começar a subir as escadas douradas de um grande e lindo Castelo... Aí, ela foi subindo, subindo, passou as nuvens, passou a galáxia... e foi seguindo. Nem ouvia mais do lado de cá nós chamarmos: "Mari, vem, Mari, volta..." Mas Aslam chamou mais forte e de maneira incomparavelmente bela: "Mari, vem"! E que doce e poderosa voz Ele tem!
Aí, quando foi o último degrau do suspiro... ela chegou à porta do castelo...
Timidamente alcançou a maçaneta de toque e bateu: toc... timidamente... depois, toc, de novo... com mais firmeza... e uma voz lá de dentro perguntou: Quem é?
- ...Er... é a Mari, lá de Goiás...
- Passou pelo Calvário?
- Passei...
- Confiou no Cordeiro?
- Confiei...
- Confessou o Leão de Judá...
- Confessei...
- Passou pelo vale da sombra da morte?...
- Passei, mas não tive medo algum, porque o meu Bom Pastor passou comigo, segurando firme a minha mão!
Aí a voz lá de dentro disse:
- Toque de novo.
E ela tocou mais uma vez...
E uma linda melodia angelical com um arranjo de outra dimensão de tão belo começou a tocar como uma orquestra a famosa música toc, toc, toc... e todos cantaram, com um coro lindo:
"Toc, toc, toc, a Mari está à porta,
Toc, toc, toc, a Mari pode entrar,
Por Jesus ter salvo a sua vida,
Sim, Senhor... AQUI É O SEU LUGAR"!
E a porta se abriu...
E ela entrou... E O VIU!
Olhou para os lados e olhou para Ele.
Eu [ainda] não ouvi...
Mas tenho certeza que ela disse...
UAU!
Até breve, querida Menina Mari.
Com lágrimas escrevo isto.
Pr. Jader Borges


Darlene Alencar, missionária e poetisa
Marianna agora está nos braços do Senhor.
Todo sofrimento se foi
O Senhor enxugou toda a lágrima
Ela está contemplando a face do Senhor
O Cordeiro de Deus que a comprou
Aquele que é e que há de vir
A melhor coisa sobre o céu
É a presença do Senhor

Aqui não é o nosso lar
Somos apenas um viajante
Por sobre as nuvens existe um Lindo Céu
“Regozijo e alegria se acharão nela
Ações de graças e som de músicas (Isaías 51:3)

** Poesia originalmente publicada no
blog Darlene Kids


"Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto".
João 12:24

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Pós-Verdade


Os editores do conhecido dicionário de Oxford têm uma difícil tarefa cada final de ano: Eleger a palavra de maior destaque no mundo de fala inglesa. Não precisa ser necessariamente um neologismo, mas deve ser uma palavra que tenha se sobressaído na comunicação pública, em função da sua capacidade de captar a atmosfera reinante na sociedade como um todo, no contexto social anglo-americano. Seguindo tal critério, o mais novo morador do dicionário de Oxford será o verbete ‘pós-verdade.’ Sendo uma invenção recente, ‘pós-verdade’ perambulava nos lábios do povo, qual indigente ‘sem-teto’ na comunidade lexical da língua inglesa. Agora, tendo vencido a corrida eleitoral vocabular, recebeu como prêmio a honra de figurar entre os adotados na grande família de termos do Oxford.

Mas, para esquecermos a verdade, enquanto tratamos de ‘pós-verdade’, nem cairmos no erro fatal de falar antes de ouvir, que, segundo Salomão, seria ‘estultícia e vergonha’ (Prov. 18:13), entendamos o significado de ‘pós-verdade.’ Segundo os mestres do Oxford, o termo pós-verdade “se refere a circunstâncias em que fatos objetivos são menos influentes em moldar a opinião pública que os apelos emocionais e as crenças pessoais.” Ou seja, aquilo que é objetivo, observável e mensurável é menos importante do que aquilo que é subjetivo e emocional. Trocando em miúdos, fatos objetivos são de competência da verdade; percepções emocionais subjetivas pertencem à ‘pós-verdade.’

Olhando de maneira displicente, pode-se achar que o debate em torno da ‘pós-verdade’ não passa de uma querela acadêmico-filosófica, de pouca importância para o ‘mundo real.’ Quem dera fosse assim! De fato, a escolha do termo fala muito sobre a realidade nossa de cada dia, pois a Times afirma que esse termo pode se tornar uma palavra definidora do nosso tempo. Embora surgida há pouco, ‘pós-verdade’ entra no dicionário porque tem fôlego semântico bastante para descrever um movimento iniciado na década de 60, que manteve-se nos anos 70 e 80, e chegou ao ápice na década de 90.

Para melhor compreensão, lembremos que atualmente vivemos a chamada era pós-moderna. Antes, na era moderna, quando a ciência era uma deusa e o cientista um sumo-sacerdote, para uma afirmação qualquer ser tida como verdadeira tinha que receber o ‘aceite-se’ da lógica linear, sob os ditames de observações metodológicas indiscutíveis e, de preferência, receber a confirmação de uma equação matemática. Tudo muito mecânico, construído sobre pressuposições naturalistas. Na forma moderna de pensar, não havia espaço para o sobrenatural, que na melhor das hipóteses seria aceito com uma superstição inofensiva ou, no outro extremo, seria tido como herança retrógrada da Idade Média, que atrasava o progresso humano. Verdades reveladas por Deus estavam fora de cogitação; ateísmo era sinônimo de intelectualidade. No máximo, os sábios do mundo iriam admitir a possiblidade de um Ser espiritual que, além de intangível, estaria totalmente separado da natureza e da história humana. O homem era a medida de todas as coisa, o céu era o limite, a humanidade havia chegado à maioridade, Deus e Sua Palavra estavam obsoletos. O futuro estava garantido. A fórmula era simples: ‘Ordem e progresso.’

As coisas pareciam ir bem no mundo natural, mas no mundo social as incógnitas surgiam cada vez mais complexas. Dois mais dois já não dava quatro. Os processos usados para equilibrar os membros da equação não funcionavam. Crescia a desordem e florescia o regresso. Assim, desesperados, os homens decidiram que era impossível encontrar o ‘x’ da questão. A ciência? Em geral, ia muito bem obrigada, não fossem os ‘maravilhosos’ experimentos malignos, como, por exemplo, a chamada ‘Solução Final’, pela qual os capazes engenheiros alemães conseguiram achar um meio de matar mais gente, gastando menos. Na desenvolvida Alemanha, a vida de um judeu valia menos que uma bala de fuzil, por isso as câmaras de gás eram um verdadeiro primor tecnológico da máquina mortífera alemã.

Perplexos, os homens viam o trem saindo dos trilhos, sem saber explicar o motivo. Tendo decidido desprezar a verdade revelada nas Sagradas Escrituras, seus raciocínios não levavam em conta termos como queda, corrupção humana, pecado, culpa e morte. Tinham resolvido que o Cristianismo histórico era mera ilusão, de uma era de mentes subdesenvolvidas. Sabiam que a solução era o homem se voltar para Deus, mas eram orgulhosos demais para agir como o Filho Pródigo. Ao invés de reconhecer que tinham trocado a verdade pela mentira, anunciaram que o problema era que a Verdade não existe, por isso não a estavam encontrando. Nasce, a partir desse ponto, slogans tais como: tudo é relativo, cada cabeça é uma sentença, os fatos não são o que parecem, a validade de uma afirmação depende do tempo e do modo, ninguém pode afirmar que conhece a Verdade. Essa é a essência da pós-modernidade, sendo a ‘pós-verdade’, sua principal marca d’água.

Muito mais poderia se dizer acerca do emaranhado confuso da pós-modernidade, mas, indo direto ao ponto, a verdade é que existe a Verdade, e tudo que fica além ou aquém dEla é mentira. Por que a Verdade é parte indestrutível da trama da realidade, as falácias filosóficas que se empenham por destruí-la, terminam exterminando o homem, que, na sua revolta contra Deus, conforme disse Davi, se torna qual lesma, que passa se diluindo (Salmo 58:8).

A situação é crítica e urgente, pois se atingimos o ponto da ‘pós-verdade’ onde impressões subjetivas contam mais que fatos objetivos, significa que chegamos à era da ‘pós liberdade’, da absoluta escravidão, pois Jesus afirmou: “... conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8.32).

Mas, se a situação presente é preocupante, muito mais é o que vem pela frente. Os homens podem inventar a ‘pós-verdade’, mas não podem criar a ‘pós-eternidade’. Isso é muito importante, pois, querendo ou não, os homens ainda precisam reagir às palavras de Cristo, que diz: ‘Eu sou o Caminho, e a Verdade, e a Vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.’(Jo. 14:6). Sem a Verdade, não se chega ao Pai. Ou seja, qualquer um fica perdido sem a verdade, objetivamente perdido. Essa é a dura realidade!

A serviço do Mestre,
Pr. Jenuan Lira
Pastor da
Igreja Bíblica Batista do Planalto

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Como falar de Autismo para adultos e crianças


A maternidade em si já é uma jornada tão imprevisível e desafiadora, imagine se agregada a ela se tem circunstâncias especiais, as quais demandam um envolvimento pessoal ainda maior! Tentando compartilhar suas descobertas, a Jornalista Helaine Oliveira criou o blog
DeliciadeJoão, no qual relata sua experiência frente ao diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA), ou simplesmente autismo, do filho João, seu primogênito.

O blog está recheado de videos educativos bem didáticos, os quais podem ajudar familiares, amigos e professores a lidarem com crianças autistas.

Vale a conferida: www.deliciadejoao.wordpress.com

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Entendendo o fim do mundo de acordo com a Bíblia

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Projeto leva telescópios para o Lago Jacarey - apreciação da super Lua


O Projeto "Zoom no Céu" (
vide página do Facebook) levará para o Lago Jacarey telescópios para a apreciação da super Lua, fenômeno que ocorre hoje, dia 14 de novembro de 2016.

Conforme noticiado pelo site G1, esse fenômeno ampliará a nossa visão do satélite natural da Terra.

A partir das 19h de hoje, no Lago Jacarey (vide mapa nesse link), todos estão convidados!

O Projeto "Zoom no Céu" é uma promoção de membros da Igreja Bíblica Batista no Cambeba.

sábado, 12 de novembro de 2016

Tabela periódica interativa


Decorar a tabela periódica é um grande desafio, mas com certeza, sabendo a utilidade prática dos elementos, tudo ficaria mais fácil! Foi certamente esse pensamento que moveu a criatividade de Keith Enevoldsen.

Veja o resultado clicando AQUI ou na imagem acima, e depois vá clicando elemento por elemento para ver as especificidades de cada um.











Certidão Criminal Negativa
Dicionário Bab.La